O que faz um especialista em data science e como ingressar nesse mercado

Tempo de leitura: 3 minutos

Big data, data science, inteligência artificial e internet das coisas. Você já deve ter ouvido falar em algum desses termos e, talvez, até pensado que esses temas só dizem respeito a profissionais de estatística ou de tecnologia da informação. Pois saiba que o especialista em data science e em análise de negócios são cada vez mais requisitados pelo mercado e o motivo é simples: as empresas precisam de profissionais aptos para analisar um grande volume de dados e, a partir disso, propor modelos e insights importantes para a tomada de decisão. Tanto que, segundo o Relatório de Profissões Emergentes do LinkedIn 2020, a profissão de cientista de dados está entre as 15 que mais crescem no Brasil, tendo apresentado um crescimento anual de 78%. 

Existe um curso de graduação para ser um cientista de dados?

O cargo de cientista de dados é ocupado por diferentes profissionais, não havendo um curso de graduação específico. Mas se você quer trabalhar com dados, a  Faculdade Senac Porto Alegre oferta o curso de especialização em Inteligência de Mercado com Data Science

O objetivo da especialização é desenvolver profissionais para atuarem no mercado de forma analítica e estratégica com o uso de recursos de Data Science nas etapas de captação, modelagem, processamento e visualização de dados para agregar diferenciais competitivos às organizações. “Dessa forma, não é necessário ser um engenheiro de dados para fazer o curso. Pelo contrário, além de profissionais da área de tecnologia e potenciais cientistas de dados, o público inclui profissionais das áreas de gestão, de marketing e de qualquer área que possa obter benefícios no uso dos dados aplicados ao seu contexto específico”, explica o professor da Faculdade Senac, Luciano Zanuz. 

Perfil do cientista de dados

Embora não seja uma especialização exclusiva para estatísticos e matemáticos, há características que o profissional pode desenvolver para se destacar no mercado de trabalho. “Um cientista de dados precisa conhecer o negócio onde está inserido e saber aplicar as técnicas de ciência de dados adequadas para conseguir analisar e compreender os cenários e tendências de mercado. Quanto ao entendimento do negócio, o cientista de dados precisa conhecer os produtos vendidos e o público alvo da empresa, por exemplo. Quanto ao conhecimento técnico específico relacionado à tecnologia da informação, o cientista de dados precisa saber utilizar as ferramentas disponíveis e manter-se atualizado, tendo em vista a constante evolução da área. O conhecimento de programação, administração, marketing e estatística pode ser um diferencial do profissional”, destaca Zanuz.

Como esse profissional é visto pelo mercado

O professor da Faculdade Senac Porto Alegre Rafael Gastão também ressalta os principais espaços que os profissionais de data science ocupam nas empresas. Segundo o especialista, cada vez mais as áreas de negócio implementam o conceito de self-service, ou seja, buscam resolver suas próprias necessidades, ficando as áreas da Tecnologia da Informação (TI) como apoiadores e suporte. “O cientista de dados exerce o papel de construir toda uma solução, dita analítica, para permitir que num ambiente empresarial se possa obter visões preditivas (o que vai acontecer?) e prescritivas (o que devo fazer?). Essa construção é algo que será aplicado no self-service”, destaca.

Ainda de acordo com o professor, as empresas estão cada vez mais aplicando os conceitos de inteligência Artificial (IA), bem como Internet das Coisas (IOT) e em ambos os casos é necessário o  profissional cientista de dados, como forma de impulsionar e dispor de todas as informações e modelos a serem aplicados. O mercado está carente deste perfil de profissional, cada vez mais necessário neste tipo de implementação. “Para um Cientista de Dados, o ‘céu é o limite’. Este profissional pode trabalhar com as novas tendências tecnológicas de serviços, em um ambiente Cloud, para os principais providers (fornecedores de nuvem), tais como: Azure AWS e Google”, complementa Gastão.

Se é um mercado em ascensão? Claro que sim! O professor Luciano Zanuz também exemplifica alguns setores da economia que demandam esse profissional: “O mercado de data science está em franca ascensão, de modo que é possível atuar praticamente em qualquer área, como varejo, indústria, bancos, governo e claro, tecnologia da informação, entre outras”.

Saiba mais sobre a especialização em Inteligência de Mercado com Data Science:

O curso de Especialização em Inteligência de Mercado com Data Science está alinhado ao contexto mercadológico e tecnológico atual, possibilitando assim o desenvolvimento de conhecimentos estratégicos de ponta, que estimulem novas ações e metodologias com o intuito de melhorar os resultados das organizações. O objetivo do curso é desenvolver profissionais para atuarem no mercado de forma analítica e estratégica com o uso de recursos de Data Science nas etapas de captação, modelagem, processamento e visualização de dados para agregar diferenciais competitivos as organizações.

Módulo I – Inteligência de Mercado
Estratégias Competitivas
Pesquisa de Mercado e Tomada de Decisão
Cultura Organizacional e Gestão Estratégica de Pessoas
Análise Econômico-Financeira e Gestão de Custos
Identificação de Tendências e Construção de Cenários

Módulo II – Inovação e Modelos de Gestão
Indicadores de Performance
Design Thinking e Gamificação
Transformação Digital
Gestão da Inovação com Métodos Ágeis

Módulo III – Data Science
Princípios de Engenharia de Dados
Inteligência Web
Data Analytics
Machine Learning aplicada a Negócios
Computação Cognitiva aplicada a Negócios

Módulo IV – Trabalho de Conclusão

Veja também:

Pensando em fazer uma pós-graduação? Boa ideia!

Gostou do nosso conteúdo? Compartilhe com seus amigos!